A FORMAÇÃO DA COLÔNIA ALEMÃ TERESÓPOLIS
E A ATUAÇÃO DA IGREJA CATÓLICA (1860 - 1910)
Autor: Toni Jochem

 

          O teor desse livro foi apresentado originalmente como dissertação de mestrado ao Programa de Pós-Graduação em História do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, sob a orientação da Profa. Dra. Eunice Sueli Nodari, como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em História Cultural, em junho de 2002, ocasião em que foi julgada e aprovada "com louvor".

          Transformada em livro, edição do autor, 208 páginas, formato 16 x 23 cm, possui inúmeras fotografias, mapas, quadros estatísticos, farta bibliografia além de reproduções de documentos históricos sobre a Colônia Teresópolis enriquecem sobremaneira essa obra. Para complementar, o livro contém uma relação inédita de famílias de imigrantes, no período de 1862-1876 citando, aproximadamente, 11.800 nomes. Aos descendentes desses imigrantes que desejarem DADOS GENEALÓGICOS, este livro será uma preciosidade.

 

Agradecimentos,

À professora Dra. Eunice Sueli Nodari, orientadora da dissertação de Mestrado que originou a presente publicação, pela competência apresentada, interesse e acompanhamento do trabalho desenvolvido;

Ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina - professores, funcionários e colegas - pelo convívio acadêmico e intelectual;

Ao Arquivo Público do Estado de Santa Catarina; Arquivo Nacional; Arquivo Histórico-Eclesiástico da Arquidiocese de Florianópolis, Arquivo da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, Arquivo Histórico de Blumenau, Biblioteca Pública do Estado de Santa Catarina e Arquivo Histórico da Imigração Alemã do Instituto Martius-Staden;

Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq - pela concessão da bolsa de Mestrado e aos patrocinadores da edição deste livro;

Aos amigos Prof. Pe. José Artulino Besen, Débora Bendocchi Alves, Beat Richard Meier, Edson Armando Silva, João Klug, Valberto Dirksen, historiadores competentes e minuciosos que, gentilmente, ofereceram sugestões e críticas ao presente trabalho, tornando-o mais consistente e preciso;

Aos amigos Elza Daufenbach Alves, Clarícia Otto, André Fabiano Voigt, José Raulino Jungklaus, Elmar Joenck, Thereza Bobel, Sueli Maria Vanzuita Petry, Manoel da Silva, Osni Machado, Evandro Thiesen, Luiz Abel Silva e Renato Weingärtner que proporcionaram durante a realização deste trabalho interlocução constante e amizade sincera;

A meus familiares, pelo incentivo e carinho dados;

___________________________________________________________

RELAÇÃO DE SOBRENOMES DE FAMÍLIAS CATÓLICAS CONSTANTES NO PRIMEIRO LIVRO DE BATISMOS DA PARÓQUIA DE TERESÓPOLIS (1862 - 1876) CITADAS NO LIVRO
COLÔNIA ALEMÃ TERESÓPOLIS

A - Abbenhaus, Abreu, Ackermann, Agiar, Albert, Alefs, Alkmann, Alois, Althaus, Althof, Althoff, Alves, Andrade, Arend, Arens, Arns, Arve, Arves, Assing, Aukmann.
B - Bachems, Back, Backes, Barba, Barnbrügge, Barros, Battista, Bauer, Bäumer, Baumgartner, Baumschütz, Beba, Bebber, Becker, Beckhäuser, Beeling, Beerlage, Behling, Beilker, Bender, Bengel, Berg, Bergmann, Beringer, Berkenbrock, Berlage, Bernadigne, Bertel, Beu, Bever, Biberkötter, Bilk, Billsche, Birkbusch, Birlage, Bitenkötter, Bitter, Blam, Blasberg, Blasius, Blau, Blick, Blimacher, Blom, Blömer, Blosbelch, Blum, Blüsterhoff, Böcker, Boeing, Böger, Bohle, Böhmer, Bohn, Boi, Böing, Bolenter, Bolentin, Bömer, Bömmel, Bongart, Bonkämper, Bonn, Bonnenkamp, Bonnenkämper, Borchert, Börger, Borgert, Borggreve, Born, Brand, Brenneis, Brenzinger, Brickheimer, Brickmann, Briekheimer, Brinkmann, Brito, Bröker, Brokhof, Brokhoff, Bronstering, Bröring, Brüggemann, Brüning, Büchel, Buchheimer, Buchner, Buddinger, Budinger, Buhrbrinker, Bunn, Burbrinker, Burg, Burinker, Busch, Büscher, Büsker, Buss, Bussbach, Butz.
C - Cap, Cardoso, Caré, Chabot, Chapeaux, Chaves, Clären, Cläsen, Conceição, Conrad, Corcoroca, Cordes, Correia, Costa, Crämer, Cruce, Cüpers.
D - Dämcken, Dameling, Damm, Dams, Daufenbach, Dechering, Defen, Defent, Deggering, Demming, Diekmann, Dietz, Dilling, Dimon, Dirkes, Dirksen, Döcker, Dres, Dresch.
E - Eckholt, Effting, Efkemann, Efken, Efkermann, Efting, Ehmann, Ehrhard, Eicheln, Eickhof, Eierhof, Eifler, Eigler, Eiink, Eikele, Eikelen, Eink, Eising, Eithof, Elfering, Eli, Eligmann, Elisabeth, Elkmann, Eller, Elsing, Emam, Emmerding, Engel, Enkrot, Enkrott, Enwerhard, Epping, Erhard, Espel, Esser, Ewald, Ewiger, Ewigmann, Exterkötter.
F - Fanker, Farwerk, Fasel, Fauke, Faust, Faustin, Faut, Fauth, Feck, Fedeler, Fei, Feldhaus, Feltkamp, Feltrup, Fennejan, Fenner, Fennijan, Fernandes, Ferreira, Feuser, Fey, Fiefhaus, Finkler, Fischer, Flemann, Flermann, Flick, Fluck, Follkere, Fortkamp, Fraga, Frankemöller, Frankenmöller, Fransener, Franz, Franzen, Frauenhof, Fraun, Freid, Frent, Friedrich, Friorel, Frisse, Fritzen, Fuchs, Füchter, Fuck, Funk.
G - Garcia, Gehlert, Gehling, Gelbach, Gelscleuchter, Gerbers, Gerink, Gertrud, Gesing, Gesser, Gils, Gilson, Gilz, Girot, Gleis, Göbel, Goedert, Goldschmidt, Gomes, Gommes, Gonçalves, Gorges, Grab, Greisch, Gröniger, Gröninger, Grossklos, Grotius, Grüll, Gustav.
H - Haag, Haas, Hach, Hack, Hak, Hakenbrok, Hammerstein, Hammes, Hang, Hank, Hansen, Haring, Harrig, Hartmann, Haselkamp, Haske, Haskel, Hass, Hause, Haverkamp, Haverott, Heckmann, Heerd, Heerdt, Hehn, Heiing, Heimans, Heindrichs, Heinr, Heinrich, Heinzen, Heiterscheid, Hellmann, Helmer, Helmert, Heming, Hemker, Hemmer, Hemsing, Henders, Hendricks, Henke, Henkel, Henkes, Hensen, Herder, Herichs, Hericks, Hering, Heringhof, Hermann, Hermeling, Hermes, Hersing, Hesmann, Hessmann, Hillesheim, Hillmann, Hilz, Hinkel, Hobold, Hoeper, Höfehen, Höffgen, Höfgen, Hogelucht, Hollekamp, Hölscher, Holthausen, Holtkamp, Homem, Höper, Höpers, Höping, Hopmann, Hörmann, Horstmann, Hortmann, Hues, Huhn, Hülsbeck, Hülse, Hunke, Hüntemann, Hus, Hüscheler, Huss, Hutz.
I - Ibers, Ignatio, Iwers.
J - Jaams, Jacobi, Jacobs, Janning, Jasper, Jenk, Jensen, Jesus, Joaquina, Jochem, Jochems, Jochum, Johann, Jönke, Jost, Jummes, Junk, Junke, Junker, Junklos, Juste, Juttel.
K - Kaal, Kail, Kaiser, Kalbus, Kalbusch, Kalkmann, Kammes, Kämper, Kamps, Käp, Kappes, Kare, Kase, Kästring, Kauling, Kaus, Kehlbach, Kehrig, Kelle, Keller, Kemmer, Kempers, Kempner, Kerkhof, Kerkhoff, Kestering, Kestermann, Kestring, Kilbus, Kirch, Kirchner, Klären, Kläsen, Kleestadt, Klein, Kleis, Klesius, Klettenberg, Klink, Klos, Klote, Kloten, Klump, Klüppel, Knabben, Kniesz, Kniss, Knöpker, Knüpp, Koch, Kock, Koep, Kogelschott, Koggenschott, Kohl, Kohnen, Kollmann, König, Konnz, Konz, Korb, Kortland, Korttland, Kösters, Köstrings, Kötte, Kötters, Krämer, Kramms, Krampeaux, Krap, Kraus, Kreisch, Kremer, Krieger, Krin, Kröger, Kropp, Krüll, Krux, Kuhlenkötter, Kühlkamp, Kuhnen, Kunz, Künzler, Küpers, Küppers, Kuver.
L - Lageling, Lander, Landmann, Landwehr, Lanfer, Lang, Lange, Längeling, Lanz, Lauen, Laukamp, Lauksen, Laux, Lauxen, Lehmkuhl, Leisch, Leising, Leisner, Lembeck, Lemsing, Lenfeld, Lenfers, Lengeling, Lensing, Lenz, Lerve, Leusch, Leve, Liebmann, Lieser, Lima, Lindemann, Link, Lisa, Lisboa, Loch, Löchte, Locks, Loffi, Loffy, Lofi, Lofy, Lohaus, Lohauss, Lorich, Lorweg, Lucas, Luchtenberg, Lückmann, Ludwig, Lukas, Lumbe, Lütkenschöttelkotte, Lüttkeschöttelkotte, Lüttleschöttelkotte.
M - Maag, Machado, Macke, Madeira, Mafra, Maifels, Majeres, Mandel, Mangerich, Manzlinger, Marks, Martendahl, Martendal, Martim, Martin, Martini, Martins, Marx, Mattos, Maurer, May, Mayer, Mederes, Meenz, Mehler, Meier, Meiering, Meinigmann, Meinschein, Meis, Meisen, Mello, Menke, Menschein, Menz, Menziar, Mergen, Mersch, Merte, Merten, Mes, Metkers, Metseher, Mettger, Mettker, Metzker, Meurer, Meyer, Michels, Micklenbeck, Middendorf, Mielke, Milcher, Millen, Miller, Ming, Miranda, Mittendorf, Modemann, Molitor, Moll, Möller, Möllers, Mönnighof, Mönninghof, Mönster, Mordemann, Morremann, Morsch, Mosel, Mosmann, Müller, Mumm, Münster.
N - Nack, Nacke, Nau, Naus, Neckel, Neef, Nei, Neves, Nichtern, Nick, Niehaus, Niehues, Nienhaus, Nienkötter, Nik, Nolden, Nolten, Nüchtern, Nunnes, Nürnberg.
O - Oderdenge, Odermann, Oelering, Oelschläger, Oening, Offermann, Oibbers, Olbers, Olberto, Olinger, Oliveira, Ostendorf, Ostkotte, Otermann, Overkamp.
P - Padilia, Paff, Palmann, Parzen, Passig, Passos, Pau, Pauli, Paulin, Paulus, Pennekamp, Pepler, Perard, Pereira, Pertel, Peters, Petri, Philippi, Philippine, Pier, Pinc, Pirkmann, Pitaagari, Pliet, Plietker, Plister, Plisterhof, Plit, Plitker, Plümacher, Plümer, Poi, Pole, Polle, Pollen, Ponn, Pöpper, Pöpping, Pöring, Porzen, Pothof, Pottmeier, Preis, Prim, Pritz, Probst, Protzmann, Punn, Puttinger. Q - Quante.
R - Rade, Rammes, Ramschütz, Raum, Raums, Rawes, Rech, Recker, Reckert, Redegeld, Rees, Rehring, Reichersdorfer, Reichert, Reidegeld, Reidegelt, Reinhold, Reiter, Reitz, Remonta, Renger, Rengers, Rensing, Rering, Resthoff, Reuter, Richal, Richards, Richarts, Richter, Richters, Rickemann, Ricken, Ricker, Rickert, Rieger, Rieken, Ring, Rocha, Rodakowska, Rodakowski, Roden, Rödig, Röding, Rodius, Rohling, Röhrig, Röhris, Röker, Römering, Röris, Rosa, Rosche, Rose, Roskenbäumer, Roters, Rötger, Roth, Röttgen, Röttgers, Röttges, Rotz, Rude, Ruschart, Rushar.
S - Salm, Samberg, Samson, Samson, Sandmann, Santos, Sardenge, Schaaf, Schabbach, Schabs, Schade, Schadecke, Schaf, Schäfer, Schäfers, Schäper, Schäpers, Scharf, Scheid, Scheier, Schepers, Scherer, Schewing, Schiff, Schirmer, Schlademann, Schlatmann, Schleitker, Schlickmann, Schlop, Schlotmann, Schmett, Schmidt, Schmitt, Schmitter, Schmitz, Schmöller, Schneider, Schotten, Schreiber, Schreier, Schroeder, Schroers, Schuch, Schücker, Schuh, Schulten, Schülter, Schülting, Schulz, Schürhaus, Schürhauss, Schürhof, Schürhoff, Schürhues, Schürmann, Schütte, Schütz, Schwahn, Schwemlein, Schwemmlein, Schwenlein, Schwering, Schwinde, Schwinden, Schwinkert, Sebold, Seburg, Sehnem, Sehnen, Selbach, Selker, Sellhorst, Sengenhorst, Senger, Sens, Serve, Seubert, Severina, Sibbing, Sicking, Siekmann, Sievers, Silva, Simonis, Smett, Soares, Sommer, Sondermann, Söthe, Souza, Speck, Specking, Speckmann, Sperfeld, Sperrfeld, Spickenagel, Spindula, Splitterhoff, Stamm, Stange, Steffens, Stein, Steinbach, Steiner, Steinhaus, Steiniss, Steinweg, Stening, Stephans, Stölben, Stölkenbäumer, Stölpe, Stölpen, Streng, Stuhldreier, Stülp, Stüpp, Summen, Sunnen.
T - Taskes, Taufenbach, Teben, Telker, Tembruckhaus, Temmes, Ten, Tenfenne, Terbeck, Terbrack, Terbracke, Terbrak, Terdenge, Terdenke, Terker, Terlau, Tervot, Terwegs, Terwort, Teuvel, Thaskes, Theis, Theisen, Theisens, Theisius, Theiskes, Themann, Themms, Theodor, Thesing, Thiel, Thielen, Thies, Thiesen, Thomann, Tickes, Tiebern, Tiehl, Tietz, Tilge, Tilges, Timpe, Timpke, Todeschini, Tombeil, Torming, Treist, Treitz, Trente, Tresch, Tromm, Turnes, Tussing.
U - Üdemann, Uedemann, Ueding, Uesler, Uessel, Ulinger, Ulrich, Ürmeny.
V - Vaal, van Bömmel, van der Linde, van Dresen, van Mechelen, van Overn, van Weser, Vandendris, Vandres, Vasswinkel, Vazel, Veding, Veltkamp, Veltrup, Vennaneiro, Venne, Vennemann, Verão, Verbecke, Verbeke, Verbeken, Vermeling, Vernaivern, Vieira, Voges, Völker, Vollkere, Vornoven, Voss, Vosswinkel.
W - Wagner, Waltrich, Warenbrügge, Warmeling, Wassing, Waterkämper, Weber, Weck, Wegener, Weikamp, Weil, Weiland, Weiler, Weimann, Weirich, Weis, Weiss, Wellmann, Wendholt, Wenker, Wenkers, Wensing, Wenz, Werling, Werschmann, Wersdörfer, Wesseler, Wessler, Wessling, Westenberg, Westerkott, Westrup, Wieland, Wiemer, Wigger, Wiggers, Wilbert, Wild, Wilhelm, Wilhelmine, Willand, Willemann, Willmer, Winkler, Winter, Wirp, Wirtger, Wirthger, Wisselmann, Wissing, Witland, Witscher, Wolf, Wollscheid, Woltering, Wolters.
Z - Zaum, Zimmer, Zimmermann.

___________________________________________________________


SUMÁRIO DO LIVRO
A FORMAÇÃO DA COLÔNIA ALEMÃ TERESÓPOLIS
E A ATUAÇÃO DA IGREJA CATÓLICA (1860 - 1910)

Apresentação.....................................................................................................
11
Introdução...........................................................................................................
13

CAPÍTULO I - O DISCURSO POLÍTICO X IMIGRAÇÃO: A CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA ORDEM SOCIAL
19

1.1 Breve caracterização da imigração alemã para o Brasil
......................................
19
1.2 A imigração e a conjuntura político-econômica brasileira....................................
21
1.3 Duas políticas de imigração no Império Brasileiro..............................................
32

CAPÍTULO II - A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA REALIDADE IMIGRATÓRIA: MEMÓRIA E IDENTIDADE
39

2.1 Fundação da Colônia Teresópolis....................................................................
39
2.2 Atuação da Igreja Católica na Colônia Teresópolis.............................................
56
2.3 O Movimento do Kulturkampf na Alemanha.......................................................
64

CAPÍTULO III - O PROCESSO DE ROMANIZAÇÃO E OS FRANCISCANOS:
A LEGITIMAÇÃO DO MUNDO SOCIAL PELA RELIGIÃO
67

3.1 A relação da Igreja Católica com o Estado no Brasil.........................................
67
3.2 O Processo Católico de Romanização e os Franciscanos.................................
73
3.3 Dificuldades na evangelização e transgressões dos preceitos religiosos pelos imigrantes..........................................................................................................
96

CONSIDERAÇÕES FINAIS.................................................................................
107

FONTES............................................................................................................
108
Instituições Colsultadas......................................................................................
108
Periódicos, Relatórios e Legislação......................................................................
108
Fontes Bibliográficas...........................................................................................
111
Bibliografia.........................................................................................................
112

ANEXOS............................................................................................................
121

Anexo 1 - Relação de comunidades filiadas e/ou constituídas na Paróquia Santa Teresa, de Teresópolis, confiadas aos pioneiros franciscanos, no período de 1891à 1900..................................................................................................................
122

Anexo 2 - Elenco dos Frades da Província Franciscana de Santa Cruz, da Saxônia, na Alemanha, que chegaram em Teresópolis em busca de "clima conveniente" e que resultou na restauração das duas antigas Províncias luso-brasileiras: Imaculada Conceição e Santo Antônio..................................................................................
123

Anexo 3 - Elenco dos padres que trabalharam na Paróquia Santa Teresa em Teresópolis, no período de 1862 - 1942.................................................................
124

Annexo 4 - Elenco dos Sacerdotes e Religiosos nascidos na Paróquia de Santo Amaro (Águas Mornas e Santo Amaro da Imperatriz)..............................................
125

Anexo 5 - Elenco das Irmãs Religiosas nascidas na Paróquia de Santo Amaro (Águas Mornas e Santo Amaro da Imperatriz)........................................................
126

Anexo 6 - Relação de Batismos realizados na Paróquia de Teresópolis no período de 1862 a 1876........................................................................................................
128

Anexo 7 - Arquivo fotográfico referente a alguns aspectos históricos-religiosos da Colônia Teresópolis.............................................................................................
195

___________________________________________________________

APRESENTAÇÃO

          Ao pensarmos nas colônias alemãs de Santa Catarina, rapidamente nos vem a mente Blumenau, Joinville e Brusque. As demais que foram fundadas, anteriormente ou durante o mesmo período, podem ser classificadas como colônias esquecidas da história de Santa Catarina. As suas histórias não foram contadas em livros, pinturas, periódicos e propagandas. Essas colônias não se inseriam no modelo das que passavam a imagem de sucesso. Curiosamente, mesmo os historiadores de movimentos migratórios tendiam a ignorar os alemães que se instalaram nestas colônias consideradas periféricas, ou menos importantes. No século XX, quando apareceram as histórias gerais sobre imigração alemã no Brasil e em Santa Catarina, os pesquisadores começaram a olhar inicialmente para as cidades onde as populações de imigrantes eram numerosas, ou para as zonas rurais mais prósperas. Apesar de louváveis exceções, a maioria dos historiadores preferia estudar as colônias onde os imigrantes, os seus lideres, e as fontes históricas estavam concentradas em maior quantidade.

          A presente obra de Toni Vidal Jochem, sob o título "A formação da colônia alemã Teresópolis e a atuação da Igreja Católica", quebra este rótulo de colônias periféricas, e nos mostra que estas colônias têm uma história rica e muito importante para entendermos o processo imigratório do Estado de Santa Catarina e do Brasil. O autor nos leva a uma viagem ao século XIX onde, gradativamente, somos levados aos primórdios da colonização alemã em Santa Catarina. Apresentada, inicialmente, como dissertação de Mestrado em História na Universidade Federal de Santa Catarina e defendida com louvor, agora ela vem a público em forma de livro.

          Os dois anos de convívio durante o curso, as discussões no Laboratório de Imigração e Migração e, principalmente, o período de elaboração da dissertação, foram muito instigantes, tanto para mim como orientadora, como para o Toni. Era o trabalho conjunto de dois pesquisadores, pois é desta forma que sempre vi esta relação. Acredito que aprendemos juntos muitos aspectos até então desconhecidos da história de Santa Catarina.

          O percurso traçado pelo autor em seu livro conduz o leitor a uma história diferente, cheia de cotidianidade. Tentar compreender a história do imigrante alemão, recuperar seus passos até a sua instalação na colônia Teresópolis, fizeram parte das preocupações do autor em todo o momento, mesmo que o seu principal enfoque tenha sido a análise da atuação da igreja católica, em seus aspectos formais e informais, a inserção dos padres na comunidade e o cotidiano destas relações nem sempre cordiais.

          Ao seguirmos os passos dos capítulos somos conduzidos pelo autor para dentro da história da colônia Teresópolis. O texto articulado, bem substanciado com fontes inéditas e trabalhado com muito esmero, perpassa toda a obra.

          No primeiro capítulo o autor aborda o discurso político versus imigração questionando se houve a construção de uma nova ordem e como ela aconteceu. Já no segundo capitulo, sobre a construção social da realidade imigratória, somos levados para dentro da Colônia Teresópolis e como acontece a assistência religiosa dispensada aos imigrantes.

          No terceiro capítulo, que tem como tema principal a legitimação do mundo social pela religião, aparece com muita força a atuação dos padres franciscanos em Teresópolis e a sua expansão para outras regiões. O autor aborda com propriedade a influencia da religião e a sua importância na visão e construção de mundo destes imigrantes.

          Outro destaque da obra de Toni Vidal Jochem é o conjunto de anexos inseridos na obra. Grande parte deles são inéditos e foram montados, muitas vezes, como verdadeiros quebra-cabeças, a partir da coleta de fontes que se encontravam dispersas. O autor, num trabalho de um verdadeiro garimpeiro, foi em busca destas fontes nos mais diferentes arquivos do Estado e do Brasil. Estes anexos, assim como os demais capítulos da obra, servirão de fontes para outras obras do autor e de outros pesquisadores.

          Muito mais poderia ser dito sobre a presente obra assim como sobre o autor, que já é conhecido por grande parte do público leitor, por suas obras sobre o tema da Imigração Alemã em Santa Catarina, mas deixarei isso para a apreciação dos leitores. A obra com certeza se transformará em leitura obrigatória para todos aqueles que pretendem se aprofundar sobre Imigração Alemã no Brasil e para aqueles que pretendem conhecer a história da colônia Teresópolis, no Estado de Santa Catarina desde os seus primórdios até o início do século XX.

          Desejo a todos uma boa leitura e que sintam o mesmo prazer de viajar através do tempo, como eu senti ao orientar este trabalho. Para encerrar, gostaria de lembrar que a História do Estado de Santa Catarina é uma das mais ricas do Brasil exatamente pelas suas múltiplas identidades, e que isto deve ser realçado sempre e não ocultado como já tentaram fazer no passado.

Eunice Sueli Nodari
Professora Doutora do
Departamento de História da UFSC

___________________________________________________________

ORELHA DO LIVRO

          O presente texto de Toni Vidal Jochem, originalmente fruto da pesquisa que resultou na sua dissertação de mestrado em história, é dado ao público como mais uma faceta desta rica história da imigração alemã na região próxima a Ilha de Santa Catarina. Trata-se de uma obra que problematiza indissociabilidade entre a colonização da região e o papel exercido nesse processo pela igreja católica, sobretudo através da atuação do Pe. Guilherme Roer, Pe. Francisco Topp e pelos franciscanos - Ordem dos Frades Menores, no período de 1860 a 1910. A colônia Teresópolis, fundada em 1860, teve uma marca muito clara da igreja, que atuou pari passu no dia a dia dos colonos imigrantes. Neste acompanhamento ao colono, imprime uma cosmovisão, uma maneira de viver, que normatiza em grande medida, a vida da colônia. São estes aspectos, esta riqueza histórica que vem a luz com a presente obra de Toni Vidal Jochem. Estudioso da imigração alemã na região da grande Florianópolis, Toni empreende uma exaustiva busca em arquivos, realizando efetivamente um trabalho de investigação histórica. O texto, portanto, é fruto de pesquisa em fontes até então desconhecidas em grande parte. São trabalhos como este que enriquecem a historiografia em torno da temática relativa a imigração alemã em Santa Catarina. Longe de ser um tema esgotado, a pesquisa em fontes ainda não trabalhadas permitem a elaboração de um conhecimento novo. Neste sentido, a obra de Toni Vidal Jochem é mais uma importante contribuição.

 

Prof. Dr. João Klug
Depto. de História UFSC

___________________________________________________________

RESUMO

          Este trabalho aborda aspectos da imigração alemã para o Brasil, as articulações que antecederam e fundamentaram a fundação da Colônia Teresópolis e, nela, a atuação da Igreja Católica. Outrossim, ressalta os desafios institucionais da consolidação do processo católico de romanização, num recorte cronológico que compreende o período de 1860 a 1910. Nesse contexto imigratório tornam-se salientes certos aspectos da atuação da Igreja, consubstanciados na ação pastoral desenvolvida pelos padres Guilherme Roer, Francisco Topp e pelos franciscanos, através da assistência religiosa aos imigrantes alemães instalados na colônia Teresópolis e imediações.

PALAVRAS-CHAVE: Imigração Alemã; Teresópolis; História da Igreja; Franciscanismo; Religiosidade.

___________________________________________________________

INTRODUÇÃO

          O binômio escravidão e imigração marcou o Brasil em seus aspectos sócio-econômicos, principalmente a partir do século XIX. Apesar da forte oposição dos latifundiários brasileiros, o trabalho escravo dava sinal de enfraquecimento diante do recrudescimento da política internacional em prol do trabalho livre.

          Por outro lado, havia a necessidade do deslocamento de grandes contingentes humanos na Europa, inclusive na Confederação dos Estados Alemães, onde a maioria, depois de tomada a decisão de emigrar, optava pelos Estados Unidos da América do Norte como destino. Eram as conseqüências das transformações que se operaram na economia mundial em decorrência da Revolução Industrial, entre outros aspectos. No Brasil estas transformações exigiram mudanças no "estatuto colonial" vigente(1) e postulavam, entre outros aspectos, a transição do trabalho escravo para o livre, da monocultura para policultura, do latifúndio para o minifúndio.

          Nesse processo de transição, os procedimentos de liquidação do "estatuto colonial" deram lugar à emigração estrangeira, para a qual, procurando atraí-la, o Brasil formulou leis a partir de 1808. Como o tráfico de escravos passou a ser severamente reprimido a partir de 1850, criando dificuldades para os latifundiários que necessitavam de braços para a lavoura, a imigração surgiu como solução. A partir de então, as experiências de imigração e colonização multiplicaram-se, embora sua demanda fosse insuficiente para substituir numericamente o braço escravo. Dessa necessidade consolidaram-se duas políticas imigratórias: uma voltada para suprir a mão-de-obra dos latifundiários e outra para a fixação de colonos, mediante a concessão de pequena propriedade rural. A primeira, coordenada pelos fazendeiros, embora com apoio governamental; a segunda, promovida pelo Governo Imperial.

          No entanto, o conflito de interesses entre os grandes latifundiários e o governo brasileiro não convenceu a as autoridades alemãs a recomendar o Brasil como destino de significativas correntes migratórias, nem a opinião pública a escolhê-lo como tal. A Confederação dos Estados Alemães, por sua vez, desejou condicionar o fluxo de emigrantes para o sul do Brasil e região do Prata a benefícios econômicos. Mas, em face aos desmandos políticos e da situação decorrente do sistema escravocrata e latifundiário, alguns Estados Alemães chegaram a não só desaconselhar a vinda de imigrantes, mas também a proibir a atividade de seus agenciadores para o Brasil.

          O sistema de colonização pela cessão de pequenas propriedades em terras devolutas e a substituição do trabalho escravo pelo livre nos latifúndios cafeeiros foram os principais instrumentos da política imigratória. Ele, entre outros aspectos, objetivava o povoamento de territórios onde havia vazios demográficos e o assentamento de trabalhadores brancos, considerados eficientes e capazes, procurando implantar no Brasil uma economia "moderna". "A colonização visava instalar no país agricultores livres e europeus, portanto brancos, (...) em áreas não-ocupadas pela grande propriedade, num processo controlado pelo Estado"(2).

          É também importante salientar que, entre outros objetivos da política de colonização, estava o desejo de compor uma classe média rural integrada por imigrantes europeus locados em pequenas propriedades, pois se acreditava que,como agricultores independentes, promoveriam eqüidade, justiça, e bem estar social(3). A grande lavoura, nesta acepção, cederia lugar à pequena propriedade.

          Neste contexto, os alemães eram considerados bons agricultores, portanto ideais para povoar vazios demográficos no regime da pequena propriedade rural. Em Santa Catarina essa política imperial resultou na fundação de diversas colônias, entre elas Teresópolis, hoje integrada aos municípios de Águas Mornas e São Bonifácio, na grande Florianópolis, objeto de estudo da presente dissertação. Nosso recorte cronológico compreende o período de 1860 a 1910, entre a fundação da colônia e o final das atividades pastorais desenvolvidas pelos franciscanos. Em 1889, a queda do Império brasileiro e a conseqüente separação entre Igreja e Estado favoreceram, sobremaneira, o processo de romanização(4) da vida religiosa. Por solicitação da Santa Sé, os franciscanos alemães decidiram vir ao Brasil, para reforçar o processo de implantação do catolicismo romanizado e restaurar a vida franciscana, ainda que, para isto, fizessem uso de outro pretexto: a catequização dos indígenas. Aconselhados pelos jesuítas, iniciaram sua missão por Santa Catarina, onde o clima ameno e a colonização alemã lhes dariam certo apoio efetivo. Outra conveniência de aqui se estabelecerem era a o fato de ficarem separados geograficamente dos frades remanescentes das províncias franciscanas de Santo Antônio e Imaculada Conceição, considerados "irrecuperáveis" diante das exigências postuladas pela romanização católica, que estava sendo implantada sob as coordenadas da Santa Sé. Desta forma, os franciscanos alemães encontraram em Teresópolis condições favoráveis para iniciar o processo de restauração da vida franciscana no Brasil nos moldes do catolicismo romanizado. Os conventos franciscanos multiplicaram-se numericamente a partir de Teresópolis: Lages e Blumenau, a partir de 1892; Rodeio, a partir de 1894; Petrópolis, a partir de 1896; Curitiba, a partir de 1898; Santo Amaro da Imperatriz, a partir de 1900.

          Entre os aspectos históricos que envolveram a fundação da Colônia Teresópolis, pretende-se salientar assistência religiosa dada a ela, enquanto manifestação cultural(5), protagonizada pela atuação dos Padres Guilherme Roer, Francisco Topp e pelos Franciscanos.

          Alguns aspectos teóricos da pesquisa tiveram como referência a contribuição de Berger e Luckmann(6) - para quem toda sociedade humana é um empreendimento de construção do mundo, sendo ela mesma um produto humano e o homem um produto da sociedade. Este mundo construído compõem-se de uma ordem significativa - nomos - e seu oposto - anomia(7). Aquele termo representa a ordenação de sentidos resultante da socialização, enquanto este traz implícito a ausência de sentido, o perigo, o medo do caos. É contra o medo do caos e a ausência de sentido que a socialização age na tentativa de perenizar a realidade socialmente construída. Neste contexto, a religião, historicamente construída, atua como poderosa força no processo de nomização, devido ao seu poder de legitimação(8). "A religião legitima de modo tão eficaz, porque relaciona com a realidade suprema as precárias construções da realidade erguidas pelas sociedade empíricas"(9).

          A religião legitima as instituições infundindo-lhes um status ontológico de validade suprema, isto é, situando-as num quadro sagrado e cósmico, porque o sagrado tem uma categoria oposta ao caos. "O cosmos sagrado emerge do caos e continua a enfrentá-lo como seu terrível contrário"(10). Devido a sua capacidade de ocultar a realidade socialmente construída, à sua ação legitimadora da ordem social, ao seu caráter de verdade única e perene, a religião se estabelece enquanto "base" para o funcionamento e manutenção do nomos habitável.

          Ao propor o estudo do processo de formação da Colônia Alemã Teresópolis associada à atuação da igreja católica, no período de 1860 a 1910, teve-se por objetivo, além de evidenciar a política de imigração e colonização do Governo Imperial frente à desestruturação do trabalho escravo, descortinar os aspectos fundamentais que determinaram a fundação da Colônia e a atuação da religião católica no contexto imigratório regional. Como a realidade é, segundo Berger, socialmente definida(11), objetivamos evidenciar a atuação da igreja católica, portadora do catolicismo romanizado, bem como a função social exercida pela religião enquanto elemento que confere sentido à realidade, materializada na atuação da igreja e, as vezes, nas transgressões de seus ensinamentos. Outro aspecto a salientar é sua ação enquanto poder disciplinar que penetrava no cotidiano dos imigrantes.

          Aponta-se como peculiar na pesquisa a proposta de se evidenciar a atuação da Igreja Católica na Colônia Teresópolis frente aos problemas e limitações decorrentes da imigração, bem como sua importância no "reinício" da vida dos imigrantes no "novo mundo". A presença religiosa e as ações dela decorrentes constituiu-se na principal fonte de poder, influenciando e decidindo questões relacionadas à política, economia, educação, lazer e religiosidade, além de também em outros segmentos sociais de manifestação individual e/ou coletiva.

          Para se alcançar os objetivos propostos, teve-se que trabalhar arduamente na reunião das fontes, considerando-se sua dispersão. Nesta busca, constatou-se que considerável documentação primária sobre a Paróquia de Teresópolis foi, sem qualquer critério, destruída(12). Aliado a isso o Livro de Tombo da paróquia de Teresópolis abrange somente o período de 1895 a 1940, deixando sem registros as atividades paroquiais desenvolvidas antes daquele período, além de também não ter sido localizado um "Livro de Registro"(13) paroquial, referido no Livro de Tombo.

          Não obstante, o acervo do arquivo da direção da colônia, apesar das limitações apresentadas abaixo, também não foi encontrado integralmente.

          No arquivo da direção encontram-se cinco livros, todos abertos, rubricados e encerrados pelo delegado do diretor da repartição das terras públicas, os quais são destinados à escrituração da colônia da seguinte maneira: um para a matrícula dos colonos, outro para o lançamento do débito de cada um deles, um terceiro para o registro dos prazos coloniais, o outro para o lançamento da entrada e saída dos gêneros e, finalmente, o quinto para o registro da produção.(14)

 

 


 

          Esse acervo significaria valioso material histórico-bibliográfico. Mas há limitações: "a escrituração de nenhum dos livros está em dia, sendo que nos dois últimos nada há escrito"(15), disse o Presidente da Província, Pedro Leitão da Cunha, em 1863.

          Devido às exigências do tema proposto, o trabalho pautou-se, sobretudo, em fontes oficiais, encontradas em grande parte no Arquivo Público do Estado de Santa Catarina, em Florianópolis, e no Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro. Trata-se de Relatórios do Presidente da Província, Relatórios do Ministério do Império, Relatórios do Ministério da Agricultura, Relatórios do Diretor da Colônia Teresópolis, Ofícios, Requerimentos, Leis, Decretos e Jornais da época foram as principais fontes pesquisadas. Por outro lado, é flagrante a limitação da historiografia existente sobre Teresópolis e, dada a qualidade das fontes encontradas, optou-se por dedicar especial atenção na elaboração de seus aspectos históricos através do processo de formação da colônia. Muito ainda está por ser pesquisado e escrito sobre a Colônia Teresópolis.

          Este trabalho está organizado em três capítulos. O primeiro capítulo, intitulado O Discurso Político X Imigração: A Construção de uma Nova Ordem Social, dedica-se a explorar o processo envolvendo a Imigração Alemã para o Brasil, a conjuntura político-econômica que a viabilizaram através de políticas públicas que sustentaram a lavoura cafeeira em São Paulo, voltada ao mercado externo, e pelo processo de colonização no sul do país voltado a pequena propriedade e ao crescimento do mercado interno.

          O segundo, A Construção Social da Realidade Imigratória: Memória e Identidade, aborda a formação da Colônia Teresópolis como conseqüência da política de colonização voltada à pequena propriedade implantada pelo Governo Imperial, no século XIX. Ao ser abordada a atuação da igreja católica e a assistência religiosa dispensada aos imigrantes através da liderança do Pe. Guilherme Roer, foram pontuados alguns aspectos do Kulturkampf, enquanto movimento que provocou a restauração católica na Alemanha, de onde partiram os missionários para atuar na colônia Teresópolis e região.

          No terceiro capítulo, O Processo de Romanização e os Franciscanos: a legitimação do mundo social pela religião, são mostrados alguns aspectos da relação da Igreja Católica com o Estado no Brasil, o processo de romanização e, nele, é destacada a atuação dos frades franciscanos alemães. A atuação dos franciscanos na Paróquia de Teresópolis, após sua ampliação para outras regiões, resultou na restauração da vida franciscana no Brasil, dando maior consistência ao processo de implantação e consolidação do catolicismo romanizado, em detrimento do catolicismo popular. Neste capítulo aborda-se também a influência da religião no cotidiano dos colonos e sua importância na construção do mundo dos imigrantes, evidenciando as dificuldades na evangelização e algumas transgressões dos preceitos religiosos pelos Imigrantes.

 

NOTAS DE FIM

(1) COSTA, Emília Viotti da. Da Senzala à Colônia. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1966, p. 11.

(2) SEYFERTH, Giralda. "A Colonização Alemã no Brasil: Etnicidade e Conflito". In: FAUSTO, Boris(Org.). Fazer a América. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999, p. 279.

(3) Revista A Imigração, n. 56, abril de 1889, apud, HALL Michael M. "Reformadores de classe média no império Brasileiro: A Sociedade Central de Imigração". Revista de História. São Paulo, n. 105, pp. 147-171.

(4) Processo de romanização refere-se à implantação de um novo modelo de pastoral, caracterizando-se pela prática sacramental, por uma saliente centralização do poder na figura do Papa e por uma pastoral oriunda da teologia tridentina.


(5) Cultura, aqui, é entendida segundo a definição dada por Peter Berger como consistindo "na totalidade dos produtos do homem". BERGER, Peter. O Dossel Sagrado - Elementos para uma Teoria Sociológica da Religião. São Paulo: Ed. Paulinas, 1985, p. 19.

(6) BERGER, Peter Ludwig. Op. cit., pp. 15-64; BERGER, Peter Ludwig & LUCKMANN, Thomas. A Construção Social da Realidade. 19a edição, Petrópolis: Vozes, 2000.

(7) BERGER, Peter. Op. cit., p. 32ss.

(8) Ibid., p. 48.

(9) Ibid.., p. 45.

(10) Ibid., pp. 39-40.

(11) BERGER, Peter & LUCKMANN, Thomas. Op. cit., p. 157.

(12) Um dos vigários de Santo Amaro da Imperatriz, de cuja paróquia Teresópolis passou a integrar, "não avaliando o valor histórico dos livros manuscritos que abarrotavam os armários[da sacristia], ordenou que se fizesse uma fogueira dos livros em alemão. Mais compreensíveis foram os fiéis que salvaram algo, enchendo sacos de livros, levando uns para casa e mandando outros para amigos. Quando assumi a direção da capela, diz Frei Raul[Bunn], pedi que devolvessem os livros e manuscritos. Consegui algo de valor. O Livro de Tombo da igreja estava em São Bonifácio, assim como o primeiro livro de batizados". DALL´ALBA, João Leonir. O Vale do Braço do Norte. Orleans: Edição do Autor, 1973, p. 35.

(13) Livro de Tombo da Paróquia de Teresópolis(1895-1940), p. 36v.

(14) SANTA CATARINA, Governo Provincial. Relatório apresentado ao vice-presidente da Província de Santa Catarina, Francisco José de Oliveira, pelo seu presidente Pedro Leitão da Cunha, em 19 de dezembro de 1863. Desterro: Tipografia de J. A. do Livramento, 1863, pp. 24-5.

(15) Ibid., p. 25.

___________________________________________________________

 

A FORMAÇÃO DA COLÔNIA ALEMÃ TERESÓPOLIS E A
ATUAÇÃO DA IGREJA CATÓLICA (1860 - 1910)

DESCRIÇÃO DO LIVRO:

Autor: Toni Vidal Jochem
Editora: Edição do Autor
Data de Lançamento: 28 de setembro de 2002 - São Pedro de Alcântara
20 de outubro de 2002 - Teresópolis
  03 de novembro de 2002 - Florianópolis
  04 maio de 2003 - Florianópolis
  25 de outubro de 2003 - Antônio Carlos
Quantidade de Páginas: 208
Capa: Colorida
Miolo: Preto e Branco
Formato: 16cm x 23cm (fechado)
Valor: R$ 25,00 (mais a postagem)

Solicite o livro através do e-mail tonijochem10@gmail.com
Favor informar o nome do(os) (livro(os) que deseja adquirir
Obs.: Não esqueça de enviar seu endereço completo + CEP, além do
fone/fax.


Forma de envio do Livro:
Sedex a cobrar ou reembolso postal via
correios (outras formas a combinar).

 

Envie para um amigo!

© Copyright Toni Vidal Jochem, 2004. Todos os direitos reservados.
toni@tonijochem.com.br